LIDERANÇA – SERÁ QUE O CONTEXTO ONDE TRABALHAMOS, INFLUENCIA A FORMA COMO EXERCEMOS A LIDERANÇA?

Liderança e Mudança, são duas das palavras mais ouvidas nos últimos anos.

Escolhi estes dois temas, não só pela sua importância na Gestão de Recursos Humanos, mas também porque ambos transformaram a minha vida.

A Liderança acompanha-me desde o momento em que entrei para o mercado de trabalho e que me cruzei com os melhores líderes do mundo. Os meus! Os que me inspiraram de forma tão intensa, que fizeram crescer em mim a vontade de um dia ser como eles, de ter o mesmo impacto nos outros, como eles tiveram em mim. 

A Liderança, tem sido ao longo dos tempos, estudada de várias perspetivas e por várias ciências. Sobre Liderança, constroem-se teorias, definem-se estilos, desenham-se modelos, identificam-se impactos, escrevem-se livros, descobrem-se ferramentas potenciadoras, reconhecem-se competências e comportamentos. A sua importância é indiscutível, não só pela influência que exerce nas relações sociais e organizacionais, mas também porque todos os dias, em algum momento, somos líderes e liderados.

A mudança, teve um enorme impacto nos últimos 5 anos, altura em que decidi mudar de país, de emprego e de vida. Nunca fui aventureira, gosto de rotinas e a mudança nunca foi algo que procurasse. Sempre a aceitei, mas nunca a quis verdadeiramente, até ao dia em que o convite para mudar surgiu e segui em frente.

De facto, a mudança está a acontecer. O mundo está a mudar. O mercado de trabalho está em mudança. Os jovens não querem monotonia e rotinas. As empresas têm a necessidade permanente de se transformarem. Deixaram de ser estanques e pouco flexíveis, para se tornarem em organismos vivos, em constante mutação e transformação. Definem estratégias de mudança. Umas estruturais, outras operacionais, tendo sempre por base uma ou mais necessidades específicas. A mudança já não é futuro, a mudança faz parte do hoje e é um conceito cada vez mais presente na vida de todos.

Ao longo da minha carreira, sempre em Recursos Humanos, trabalhei em várias organizações e sectores de atividade, em Portugal e Angola. Passados alguns anos e desta vez, de forma consciente e estruturada, procurei a mudança e aqui estou eu, num percurso, diferente do habitual.

Refletindo sobre estes dois conceitos, Liderança e Mudança, surgem-me imediatamente duas questões:

Será que o contexto onde trabalhamos, influencia a forma como exercemos a Liderança?

Se é verdade que a mudança é uma realidade, o que fazemos com ela? Utilizamo-la como instrumento de transformação e crescimento?

Em relação à mudança, acredito ser crítico estarmos preparados para vivê-la, ter a flexibilidade de a aceitar, de compreender o seu propósito e consequentemente assumirmos um papel ativo em todo o processo. Só assim a mudança será motor de transformação, evolução e crescimento. Sem este caminho, seremos apenas agentes passivos de uma metamorfose que pode não passar disso mesmo, uma mudança, mas que na sua essência não impulsiona, não transforma, nem traz evolução.  

A mudança que escolhi, fez-me abraçar a consultoria. Trouxe comigo 20 anos de experiência, com uma visão muito clara dos desafios internos das organizações.

Estar na consultoria faz-me ver o mundo das organizações com uma lente diferente. É trabalhar todos os dias com desafios e clientes distintos, com necessidades muito próprias e culturas únicas. É desenvolver vários projetos estratégicos em sectores opostos, onde a criticidade dos mesmos é o ponto comum. A consultoria exige-nos flexibilidade de adaptação, capacidade de resposta, inovação e disponibilidade para mudar.

E a liderança será diferente na consultoria? Ser líder na consultoria é ter a capacidade constante de construir e reconstruir equipas, desenhar a equipa certa para cada projeto.

Considerar as competências de cada um, as exigências específicas do desafio e do cliente, o potencial a desenvolver, a motivação de cada elemento, e ser capaz de cruzar todas estas as variáveis numa matriz em que o resultado final seja o sucesso.

Defendo que quando acreditamos no nosso papel, o contexto não muda a forma como o desempenhamos, seja nas organizações ou em consultoria. Ser líder é trabalhar lado a lado, ouvir, inspirar, formar, desenvolver, construir, e dar significado ao trabalho em equipa. É celebrar sucessos, reconhecer erros, identificar caminhos alternativos e aprender a fazer melhor. Um líder tem que exigir e ser capaz de dar na mesma medida. Ser líder é ser autêntico, seja qual for o contexto.

Cláudia Brandão
Manager SDO Consulting